POR QUE A ÁFRICA É O NOVO TERRENO FÉRTIL PARA CRIPTOMOEDA


XPOS na Nigéria. Produzido por Multi-jakes

Muitos países ao redor do mundo estão começando a diminuir o uso de blockchain e criptomoeda, considerando que eles se mostraram úteis em meio à pandemia de COVID-19. Figuras influentes em todo o mundo, como o investidor bilionário Paul Tudor Jones, também expressaram apoio ao Bitcoin, chamando-o de a melhor proteção possível contra a inflação.

O suporte regulatório de criptografia é conhecido em países como Japão, Malta, Suíça e Cingapura. No entanto, um relatório da Arcane Research mostra que a África também está se tornando um dos lugares mais promissores para a adoção de criptografia. A Arcane Research discutiu que o potencial para adoção rápida de blockchain e criptografia é enorme, e que os desenvolvimentos no continente provavelmente definirão a indústria de criptomoedas no futuro, apesar da adoção geral no continente ser relativamente baixa.

Os dados do Google Trend podem apoiar esse fenômeno, já que vários estados africanos, como Nigéria, África do Sul e Gana, se classificaram entre as três principais regiões que pesquisaram bitcoin , mostrando que há um interesse crescente nesses países.


A pesquisa arcana também observou em seu relatório que essas nações africanas compartilham algumas semelhanças que os levaram a explorar o poder do blockchain e das criptomoedas. Alguns países estão enfrentando atualmente uma série de problemas econômicos, como altas taxas de inflação, desvalorização e volatilidade das moedas nacionais e controles de capital.

Muitos estados africanos também carecem de infraestrutura bancária, conforme comprovado por dados do Grupo do Banco Mundial, que mostram que o número de bancos comerciais por 100.000 adultos na África Subsaariana é 61% inferior à média global. Essa desorganização permite que o Bitcoin e outras criptomoedas tenham a oportunidade de brilhar e se gabar de sua natureza desinflacionária e descentralizada.

O Quênia, por exemplo, tem visto uma onda de empresas que estão aceitando o Bitcoin como um meio legítimo de pagamento . No início de 2019, as transações de Bitcoin no Quênia foram avaliadas em mais de US $ 1,5 milhão (USD), com muitos proprietários de empresas citando a natureza segura da criptomoeda como uma razão para sua popularidade. Além disso, também é visto como muito mais conveniente do que lidar com papel-moeda.

Foto no Unsplash

Como resultado da popularidade crescente da criptomoeda, o antes cauteloso governo queniano até formou uma força-tarefa para examinar os benefícios da tecnologia de blockchain e da criptomoeda. Desenvolvimentos como esses dão esperança de que a aceitação do Bitcoin e outros ativos semelhantes no continente chegue mais cedo ou mais tarde.

Além do Bitcoin e de outras criptomoedas, a tecnologia blockchain tem sido um dos fatores que contribuem para a transformação digital da África nos últimos anos, junto com a internet das coisas, inteligência artificial e big data. Por mais úteis que essas tecnologias sejam para acelerar a modernização da África, o Fórum Econômico Mundial ainda recomendou governos e educadores para educar principalmente as pessoas em habilidades digitais e de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM).

Considerando que a África Subsaariana tem uma das populações mais jovens do mundo, agora é mais crucial que os governos e outras instituições invistam na educação para moldar a nova geração de força de trabalho africana com as habilidades adequadas.

O Banco Mundial também estimou que 1 em cada 3 pessoas no planeta viverá na África até 2100, tornando mais importante do que nunca para o continente valorizar e aprimorar seus recursos e sistemas.


Felizmente, as empresas privadas estão tornando mais fácil, não apenas para grandes organizações, mas também para simples civis, aprender sobre blockchain e criptomoedas. Por exemplo, estamos ajudando comerciantes na África a aceitar a criptografia como uma forma de troca por seus bens e serviços por meio de seu dispositivo de ponto de venda baseado em blockchain, XPOS. O sistema também permite que os consumidores adquiram criptomoedas como Bitcoin, Ethereum ou até mesmo a criptomoeda NPXS nativa do Pundi X no local.

Com dispositivos como o XPOS sendo instrumentais na liquidação de transações baseadas em criptografia, podemos esperar que mais comerciantes, organizações e talvez nações aceitem ainda mais o blockchain e a moeda digital, integrando-os em suas operações diárias e vidas pessoais.

Conforme também avançamos para o “novo normal” por causa do impacto da pandemia COVID-19 em nossas economias, os pagamentos digitais serão mais relevantes do que nunca. Dados do Statista também mostram que o número de usuários de pagamento de proximidade móvel em todo o mundo chegará a 1,31 bilhão em 2023, mostrando que a tecnologia continuará a liderar grandes mudanças em nossas vidas.

Artigo original em inglês: Acesse.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem

Comments